Disciplina: Mini-Curso: Paleontologia Estratigráfica e Tafonomia do Devoniano do Estado do Paraná: prática de campo

Carga Horária: 60 horas - Número de créditos: 4

Ementa: 

Conceitos gerais de Paleontologia e Geologia Sedimentar. Paleo-Rota nos municípios de Castro e Tibagi, Paraná, Brasil. As rochas das bacias de Castro e do Paraná na região. Utilização da Estratigrafia e Tafonomia como ferramenta de trabalho para interpretação paleoecológica e paleogeográfica– Ênfase nos afloramentos fossilíferos das Formações Ponta Grossa e São Domingos.


OBJETIVOS

Objetivo Geral:
• Compreender a gênese das rochas sedimentares que preenchem a Bacia do Paraná e os processos tafônomicos que originaram as concentrações fossilíferas.

Objetivos Específicos:
• Identificar as sequências deposicionais de acordo com o arcabouço estratigráfico de sequências sedimentares.
• Reconhecer o contexto paleoecológico dos afloramentos constantes da Paleo-Rota nos municípios de Castro e Tibagi.
• Analisar os processos tafonômicos que originaram as concentrações fossilíferas e sua distribuição no tempo e no espaço.


BIBLIOGRAFIA

ALLISON, P. A.; BRIGGS, D. E. G. Taphonomy: Releasing Data/Locked in the Fossil Record. Topics in Geobiology. New York: Plenum Press, 1991. 560p.

BOSETTI, E. P.; GRAHN, Y.; HORODYSKI, R. S.; MAULLER, P. M.; BREUER, P.; ZABINI, C. An Earliest Givetian “Lilliput Effect” in the Paraná Basin, and the collapse of the Malvinokaffric shelly fauna. Paläontologische Zeitschrift, 2011. DOI: 10.1007/s12542-010-0075-8.

BRIGGS, D. E. G.; CROWTHER, P. R. (org.). Paleobiology II. Oxford: Blackwell Science, 2003. 600p.

BROMLEY, R.G. Trace fossils. Biology and taphonomy. Unwin Hyman, Londres, 1990.

BROMLEY, R.G. Trace fossils. Biology, taphonomy and aplications. Chapman & Hall, Londres, 1996.
BUATOIS, L.A.; MÁNGANO, M.G.; ACEÑOLAZA, F.G. Trazas fósiles. Señales de comportamiento em el registro estratigráfico. Museo Paleontológico Egidio Feruglio, Argentina, 2002.

CARVALHO, I. S. Paleontologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2011. 1400 p. (v. 2).

CATUNEANU, O. Principles of Sequence Stratigraphy. Amsterdam: Elsevier, 2006. 375p.

EKDALE, A.A.; BROMLEY, R.G.; PEMBERTON, S.G. Ichnology, Trace Fossils in Sedimentology and Stratigraphy. Society of Economic Paleontologists and Mineralogists. Short Course, 1984.

GENSEL, P.; EDWARDS, D. Plants invade the land. New York: Columbia University, 2001. 304 p.

HOLZ, M.; SIMÕES, M. G. Elementos Fundamentais de Tafonomia. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002. 231 p.

LOUYS, J. Paleontology in Ecology and Conservation. New York: Springer Vellag, 2012. 250p.

IANNUZZI, R.; VIEIRA, C. E. L. Paleobotânica. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. 167 p.

NETTO, R.G. Icnologia e Estratigrafia de Seqüências. In: SEVERIANO RIBEIRO, H. J. P. (ed.), Estratigrafia de Seqüências: Fundamentos e Aplicações. São Leopoldo, Edunisinos, pp. 219-259. 2001.

SEVERIANO RIBEIRO, H.J.P. (Ed.). Estratigrafia de Seqüências - Fundamentos e aplicações. São Leopoldo: Editora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2001. 428p.

SEILACHER, A., Trace fossils analysis, Berlin: Springer, 2007.