Escola Reitor Alvaro Augusto Cunha Rocha – Educação Infantil e Ensino Fundamental – 1ª a 5ª Anos


Calendário 2018

A Escola Reitor Alvaro Augusto Cunha Rocha – Educação Infantil e Ensino Fundamental,  funciona nas dependências do CAIC Reitor Alvaro Augusto Cunha Rocha, desde 1993.  Caracteriza-se como uma escola de período integral, onde os alunos permanecem das 7:50 às 16 horas, recebendo diariamente três refeições. Exceto nas quartas feiras que permanecem das 7:50 às 12 horas. Está organizada em níveis e atenderá os alunos até sua total cessação, a partir de 2008. O ensino fundamental de 9 anos está organizada em dois ciclos. Esta escola atende uma clientela com faixa etária de 4 a 10 anos, que totalizam aproximadamente 400 alunos. Os professores desta escola são cedidos pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa através de Convênio com a Secretaria Municipal de Educação – SMEC.
O Projeto Político Pedagógico da escola contempla os pressupostos filosóficos, epistemológicos e didático-pedagógicos que dão identidade à escola, e que norteiam toda ação educativa desenvolvida pela unidade escolar.
Além disso, os princípios presentes no Projeto Político Pedagógico informam a concepção de homem, de sociedade e de mundo assumida pela escola. Concordamos com Veiga (1998) quando registra que: “ É necessário que se afirme que a discussão do Projeto Político Pedagógico exige uma reflexão acerca da concepção de educação e sua relação com a sociedade e a escola, o que não dispensa uma reflexão sobre o homem a ser formado, a cidadania e a consciência crítica”.

COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA:
Direção da Escola: Rosiane Machado da Silva

Educação Infantil e Ensino Fundamental: 
Pré I, Pré II, 1º e 2ºs Anos: Eliane e Irene
3º e 4°s Anos: Maria Luiza 
5ºs Anos: Isabel

NOSSOS HORÁRIOS
Educação Infantil e Ensino Fundamental
Início 8h às 16h
Exceto quarta-feira 8h às 12h

NOSSOS GRUPOS:

PRE I A - Professora Franciele

PRE II A - Professora Silvia

PRE II B - Professora Vanessa

1º A - Professora Josemara e Adriana

1º B - Professora Rosimeire e Adriana

2º A - Professoras Maria Rosana e Janaina

2º B - Professor Marcelo e Janaina

3ª A - Professoras Jaqueline e Franciane

3º B - Professora Madalena e Franciane

4º A - Professoras Joseane e Andrea da Silva

4º B - Professoras Andrea Hass e Andrea da Silva 

5º A - Professoras Glaucia e Lucimar

5º B - Professora Neide e Lucimar

EDUCAÇÃO FÍSICA: MARCOS 

NOSSOS PROFESSORES:

Adriana Alves dos Anjos
Andréa da Silva

Andréa Siqueira Hass
Franciane Barros Gracia
FrancieleAlves de Souza Borges
Janaina Freitas da Silva
Gláucia de Fátima Colesel
Jaqueline Marques da Costa
Joseane Aparecida Tchuivun Ramos
Josemara Rodrigues dos Santos
Lucimar Aparecida Clock NowaKoski
Marcelo de Jesus Meira
Marcos Aurélio dos Santos
Maria Madalena Malaquias
Maria Rosana Lima Ribas
Margarete Ribas Beck
Neide Gonçalves dos Santos
Rosimeire Bárbara Nabosny
Silvia Helena Hoffman Cutrim 
Vanessa J. Sequinel Hrenechen
Waldirene Cristina Ferreira Carvalho

 


COTIDIANO ESCOLAR
ENCAMINHAMENTOS NORTEADORES DO TRABALHO DO PROFESSOR  
PLANO DE TRABALHO BIMESTRAL
Tomando por base o currículo, o professor seleciona os conteúdos, propõe os objetivos, projetos, atividades, constituindo um “plano de trabalho”, a ser apresentado e discutido com os alunos no início de cada bimestre. A importância deste plano de trabalho ser planejado e negociado com os alunos resulta num enriquecimento das atividades curriculares.

ASSEMBLÉIAS
Referem-se a sessões coletivas (professor e alunos), para discutir e orientar a realização do plano de trabalho e também para proporcionar momentos de avaliação individual e coletiva. Deverão ser realizadas periodicamente atendendo as necessidades do processo pedagógico.

TRABALHO INDIVIDUAL
Consiste nas atividades que o aluno por si só realiza. Na aprendizagem, por mais que se constitua num processo interpessoal e compartilhado é sempre uma questão individual, uma apropriação pessoal.

TRABALHO DIVERSIFICADO
O trabalho diversificado oportuniza o atendimento das diferenças individuais na realização das atividades em grupos onde o professor coordena e dirige.

PESQUISA COMO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA COMPETÊNCIA HUMANA

O professor poderá propor projetos de estudo com propostas interdisciplinares, buscando o elo entre as diversas áreas do conhecimento e a realidade vivida, despertando no aluno o prazer pela pesquisa, promovendo assim a reflexão no seu próprio processo de saber pensar, aprender a aprender, avaliar e avaliar-se. Ao mesmo tempo oportunizar o trabalho com os Temas Transversais, propostos pelos Parâmetros Curriculares Nacionais. Neste processo o professor assume o papel de mediador do conhecimento e o aluno o de construtor do próprio conhecimento.

ATIVIDADES PROPOSTAS PELOS ALUNOS
Os alunos poderão trazer propostas de enriquecimento curricular com temas de estudo ou atividades pertinentes ao seu interesse de investigação e faixa etária. Essas atividades propiciam a participação efetiva do aluno na vida escolar, atendendo aos diferentes ritmos e necessidades de aprofundamento grupais ou individuais.

PROJETOS COORDENADOS PELOS PROFESSORES:
Os professores propõem e coordenam projetos enriquecedores do currículo. Sua duração é variável conforme seus objetivos, desejo e o interesse dos alunos pelo assunto tratado. 
REGISTROS DA CLASSE
Os principais instrumentos que o professor dispõe para apoiar sua prática, constituem-se na observação e no registro.
Considerando-se esses registros o professor terá subsídios que redimensionará ou confirmará sua prática.

ESTUDOS COMPLEMENTARES
A recuperação da aprendizagem será feita na forma de estudos complementares, paralelos ao desenvolvimento das atividades cotidianas, com atividades diversificadas, em sala de aula, e sempre inseridas no processo educativo, e não apenas no momento restrito. São atividades realizadas por professores e alunos para resgatar as deficiências durante o processo de ensino aprendizagem.
Com essa prática e embasada na lei DE Diretrizes e Bases, pretende-se atender as diferenças individuais no que se refere às dificuldades de aprendizagem dos alunos.

GRUPOS IDENTIFICADOS POR SÍMBOLOS OU DENOMINAÇÃO
No início de cada ano letivo os alunos escolhem um símbolo escrito ou gráfico para identificação de seu grupo.

PONTO DE ENCONTRO
A cada ano letivo, os grupos escolhem um ponto de encontro, tendo como referência um local  interno no pátio da escola  para se reunirem após o sinal, onde aguardam a vinda dos professores. Essa medida é levada em conta para a organização do grupo, um momento especial de organização do grupo para o  início/reinício  das atividades escolares

NOSSAS ATIVIDADES DE ROTINA:
Assembleias inicial e final: momento de encontro entre professor e alunos no qual fazem combinados, levantam propostas, contam novidades e avaliam propostas desenvolvidas. 
· Livro da vida: 
alunos e professores realizam registro de acontecimentos e fatos importantes ( ocorridos em sala de aula ou outros espaços com liberdade de expressão.
· Culinária: alunos participam da culinária a partir dos projetos e temas desenvolvidos.
· Correspondência escolar: os alunos/ professores elaboram correspondência intra e inter-escolar.
· Momento livre: acontece em horário de lanche e almoço onde as crianças em atividades lúdicas e interação desenvolvem a socialização.
· Aula de Educação Física: é desenvolvida pela seção de esportes de 1 a 2 vezes na semana, onde as crianças realizam atividades criativas e saudáveis como: Jogos, brincadeiras, dramatizações, danças como nova forma de ampliar o conteúdo educativo.
· Biblioteca: os alunos realizam atividades de leitura no círculo do livro fazendo uso da biblioteca. Espaço onde a criança aprende a importância e desenvolve o gosto pela leitura.
· Soninho: momento em que alunos do Nível I 4 anos dormem.
· Ateliês: Inglês, Informática, xadrez, Ludoteca, Brinquedoteca e Expressão Corporal.
Encaminhamentos que norteiam o nosso trabalho:
· Plano de trabalho bimestral: mediante assunto de interesse e Matriz Curricular levantamos os objetivos e atividades para o alcance dos mesmos.
· Plano de trabalho individual: consiste em atividades que o aluno por si só realiza. E para atender a individualidade dos alunos, o professor realiza o planejamento com situações que atendam as demandas individuais e grupais.
· Trabalho diversificado: oportuniza o atendimento a especificidades individuais dos alunos detectadas no grupo.
· Planejamento cooperativo: alunos e professores fazem o planejamento dos temas a serem investigados. O que ? Onde? Quando? Como?
· Texto cooperativo: acontece após a investigação do assunto planejado, com a mediação do professor produzem o texto.
· Aula passeio: mediante temas investigados os alunos realizam pesquisa de campo.
· Integração de níveis: no desenvolvimento do trabalho pedagógico conforme planejamento, acontecem momentos inter-grupais permitindo a interação de alunos mais experientes com outros, atuando assim como elementos mediadores entre colegas e o conhecimento.
· Estudo complementar/estudos de aprofundamento: é direcionando aos alunos que vem apresentando dificuldades na aprendizagem, proporcionando atendimento as diferenças individuais no que se refere as dificuldades de aprendizagem.Os alunos que não vem apresentando dificuldades aprofundam seus conhecimentos construídos, com atividades variadas
· Metodologia de projetos: no ensino aprendizagem buscamos o aprender a aprender. Nesta perspectiva utilizamos a metodologia de projetos como um dos meios de desenvolvimento curricular tornando as práticas educativas mais dinâmicas, contextualizadas e significativas. Os temas são escolhidos a partir de questões reais e concretas e os projetos são desenvolvidos por professores e alunos. O papel do professor nesse processo é de facilitador, mediador da aprendizagem. A Direção e Coordenação Pedagógica assessoram a construção e desenvolvimento dos mesmos.

PRESSUPOSTOS

PRESSUPOSTOS FILOSÓFICOS:
A educação escolar se depara com os desafios da atualidade e com imperativos inerentes à tarefa de formar sujeitos críticos e preparados para a vida em sociedade.
A educação, neste contexto, é chamada a formar um homem capaz  de atuar neste mundo em transformação  como sujeito histórico competente, organizado, crítico e criativo, abrindo possibilidades de avanços para um  mundo mais humanizado. “A educação se confronta com essa apaixonante tarefa: formar seres humanos para os quais a criatividade e a ternura sejam necessidades vivenciais e elementos definidores dos sonhos de felicidade individual  e social” (ASSMANN, 1998, p.29 ).

PRESSUPOSTOS  EPISTEMOLÓGICOS:
O desenvolvimento humano caracteriza-se por ser um processo contínuo e abrangente no que diz respeito aos vários aspectos constitutivos do homem, sejam eles físicos, afetivos, sociais ou intelectuais.
Ao mesmo tempo, o desenvolvimento humano, que pressupõe sucessivas transformações, não pode ser entendido se dissociado do processo de aprendizagem, já que, desenvolvimento e aprendizagem são processos da mesma unidade. Isto significa a existência de mútuas influências que fazem a totalidade do humano. Nessas influências estabelece-se a importância do aprendizado no despertar de variados processos internos de desenvolvimento.
Em virtude dessa unidade, põe-se de lado a concepção dicotômica de desenvolvimento e aprendizagem que sugere a possibilidade de o indivíduo desenvolver-se desvinculado das aprendizagens vivenciadas. Está presente nessa ideia a própria dialética da humanidade.

PRESSUPOSTOS DIDÁTICOS PEDAGÓGICOS:    
            Para a efetivação de uma pedagogia com enfoque crítico e contextualizado, reconhecedora das diferenças existentes entre os alunos e buscando levá-los à apropriação de conhecimentos essenciais ao exercício da cidadania, se faz necessário traçar princípios básicos que nortearão o seu encaminhamento metodológico.
É preciso ressaltar, que antes de pensarmos em uma metodologia pré-elaborada, faz-se importante ter em mente que a metodologia deve ser, sobretudo, construída na prática pedagógica pelos agentes educacionais.
A escola e o agir pedagógico têm uma função social específica, na medida em que existem para criar as oportunidades básicas a morfogênese do conhecimento. Educar é fazer emergir vivências do processo de conhecimento.
PRINCÍPIOS EDUCATIVOS;

  1. considerar o aluno como sujeito de sua própria aprendizagem;
  2. reconhecer que o conhecimento é construído, progressivamente, por meio da atividade própria do aluno e também das interações sociais, isto é, de aluno para aluno e entre o professor e os alunos;
  3. superar a fragmentação do saber dividido em disciplinas, enfatizando a interdisciplinaridade dos conhecimentos  e  a construção integrada de saberes, competências e valores que perpassam, de forma transdisciplinar, o conjunto do saber-fazer escolar.
  4. tomar as experiências e vivências do cotidiano do aluno como ponto de partida para as novas aprendizagens escolares.
  5. organizar o trabalho escolar em torno de atividades que proporcionem o prazer de conhecer, o desejo de descobrir e de fazer e que estimulem o aprender a aprender.
  6. respeitar a diversidade dos alunos, enquanto pessoas e enquanto membros de um determinado grupo étnico-cultural e socioeconômico.
  7. estimular o desenvolvimento da autonomia do aluno e da sua participação na construção da vida escolar por meio do incentivo ao trabalho em grupo e à aprendizagem cooperativa.

REGIME DE FUNCIONAMENTO
Este Estabelecimento mantém a Educação Básica envolvendo a Educação Infantil e Ensino Fundamental com frequência mista em período integral, autorizada pela Resolução n.º 856/93 de 15/03/93 e publicada em Diário Oficial em 05/04/93.
Na Educação Infantil os alunos serão agrupados conforme a idade, assim organizados;
Pré I – alunos com 04 (quatro) anos completos ou a completarem durante o ano letivo;
Pré II – alunos com 05 (cinco) anos completos ou a completarem durante o ano letivo.
Os anos iniciais com duração de 5(cinco) anos, dividido em dois ciclos com a possibilidade de retenção  ao final de cada ciclo:

  1. I Ciclo  da Alfabetização  – com três anos de duração;

1) - 1º ano do 1º Ciclo
2) – 2º ano do 1º Ciclo,
3) – 3º ano do 1º Ciclo
b) II Ciclo  do Ensino Fundamental de 9 anos - com dois anos de duração.
1) 4º ano – 2º Ciclo
2) 5º ano – 2º Ciclo

ANO LETIVO

O ano letivo, conforme estabelece a LDB 9394/96,  é formado por 200 dias  e no mínimo 800 horas anuais, pela característica da nossa escola nossa carga horária ultrapassa a carga horária estabelecida pela lei.

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM
A avaliação da aprendizagem sempre foi cercada de dúvidas, incertezas e contradições.
Entretanto é claro que a avaliação da aprendizagem cumpre uma finalidade ampla dentro do processo de ensino, uma vez que é orientadora da ação docente em relação aos meios que os alunos necessitam para assimilar o que lhes é ensinado. Será um instrumento dialético do avanço e  um instrumento de identificação de novos rumos.
A avaliação da aprendizagem oferece suporte  a tomada de decisão quanto a maneira mais adequada de conduzir  o processo ensino aprendizagem. Será um instrumento do reconhecimento dos trajetos percorridos e da identificação dos novos caminhos a serem perseguidos.
A ação de avaliar constitui-se em um momento de reflexão sobre a prática, e a ela retornando de modo efetivo e dinâmico para alcançar os objetivos propostos.
Síntese do Sistema de Avaliação:
Será considerado aprovado o aluno que ao final do ano letivo atingir 6,0 ( seis virgula zero) de aproveitamento de conteúdos básicos e freqüência anual igual ou superior a 75% ( setenta e cinco por cento);
Será considerado retido o aluno que ao final do ano letivo tiver freqüência inferior a 75% ( setenta e cinco por cento) e qualquer percentual de aproveitamento dos conteúdos básicos;
Será considerado aprovado ou retido o aluno que obtiver freqüência anual igual ou superior a 75% ( setenta e cinco por cento) e aproveitamento dos conteúdos básicos inferior a 6,0 ( seis vírgula zero), após análise do Conselho de Avaliação.


Campus Uvaranas - Av. General Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - GPS: 25°5'23"S 50°6'23"W
Campus Central - Praça Santos Andrade, 1 - GPS: 25°5'11"S 50°9'39"W
Fone: (42) 3220-3000 / 3220-3300 - Ponta Grossa - Paraná